Jnet News o Blog da verdade.

domingo, 23 de junho de 2013

É NA TÓRA!!! #oGIGANTEacordou #FORAPT #PROTESTOMCZ

MANIFESTAÇÃO EM SALVADOR: O DIREITO DE RESPOSTA

PRECISAMOS DE CARAS COMO ESSE. NÃO DE BUNDA MOLE SALAFRÁRIO PARTIDÁRIO


ENQUANTO VOCÊ FICA AI SENTADO DE BOCA ABERTA GRITANDO GOL PARA OS MILIONARIOS, NOSSO POVO ESTÁ NAS RUAS MORRENDO E LUTANDO POR UM PAÍS DE VERDADE, NÃO UM PAÍS DE PÃO E CIRCO.

CRIANÇAS SENDO MORTAS NOS HOSPITAIS SEM O PADRÃO FIFA.

GRAÇAS AO PT/PSTU/PCdoB/PMDM/ETC E MILITANTES VEMOS ISSO ACONTECER.

Não quiseram fazer a copa à força? sem ter antes perguntado à população se ela queria que os investimentos que poderiam ir para a saúde e a educação servissem para enriquecer meia dúzia de empreiteiros e um monte de político corrupto? prometeram melhorar a mobilidade e o que vemos agora? a população submetida a um péssimo sistema de transporte público e aos enormes congestionamentos onde os trabalhadores da perifa passam 6 horas para chegar ao centro da cidade! o mesmo que os filhos da puta do congresso gastam em tempo para chegar à europa de avião é o que gastamos hoje para nos deslocar de bairro à bairro. #FORACOPA! #FORAFIFA! queremos nosso direito de ir e vir de volta! queremos nosso dinheiro de volta!

Em 20 de junho de 2013 uma manifestação de quase 100 mil pessoas foi duramente reprimida pela polícia de choque em Salvador / Bahia. Neste mesmo dia estava marcado um jogo da Copa das Confederações da FIFA e a meca dos manifestantes era exatamente a arena de futebol. Os policiais da PM e da choque fizeram exatamente o que foram treinados a fazer. Proteger a qualquer custo a área de exclusão da FIFA com os recursos de praxe: bombas de gás, de efeito moral, de borracha, spray de pimenta, cacetadas, etc. etc. A população da cidade reagiu como pôde e o quanto pôde à violência policial. Não adianta investigar se este ou aquele policial agiu com excesso, temos que nos questionar até quando vamos sustentar uma polícia que foi criada na ditadura exatamente para isto: para massacrar a população quando ela tenta se manifestar legitimamente contra o governo.