Jnet News o Blog da verdade.

domingo, 29 de setembro de 2013

Caso Pesseghini - Parte 3

Um texto bastante claro e bem explicado... um tanto longo mais o mistério e a frieza de tudo isso nos convida a continuar lendo..... sinto calafrios....

O blog  jnet news já abordou o mesmo assunto na matéria anterior, agora temos um ponto de vista igual ao do nosso blog, porém de uma pessoa especialista no assunto. 
Agradeço a nosso amigo Júnior Silveira por compartilhar conosco, nos dando a oportunidade de compartilhar com vocês aqui no Blog.... Todos na torcida para que os culpados, ou melhor os monstros sejam punidos severamente.
de:  Camila Abdo                  
http://psijust.com.br/portal/?page_id=96



O caso Pesseghini vem trazendo, além de dúvidas muitas versões sobre o fato ocorrido. 
Pediram-me que eu falasse também dos aspectos caso comprovasse que ele é o culpado.
Pois bem. Atendendo aos pedidos, aqui redigo as duas questões. 
Lembrando que, o Marcelinho, chorou antes de morrer. Fotos mostram que ele tinha a expressão de choro antes de levar (ou se dar) o tiro. De acordo com estudos, se a perícia coletar amostra da lagrima, pela quantidade de substancias salinas contidas nas lágrimas, tira-se uma ideia se o choro era de medo, raiva, etc... Porém, desse claro que isso é apenas um estudo. Não há comprovação cientifica ainda. 

Primeiro o porquê não pode ter sido o Marcelinho:
De acordo com Luis Carlos Giganttye de Sousa e Silva, presidente do Conselho Federal de Segurança, este relata:
“(Para restabelecer a seriedade e igemonia das Polícias sugestionamos que a Polícia Civil transfira as investigações para a Polícia Federal e Exército)

Esse tipo de transferência é comum ao FBI nos E.U.A. a fim de termos uma imparcialidade na resolução do caso, e igualmente por termos fatos relevantes que pode comprometer a seriedade e idoneidade das Polícias.

De Imediato, na minha opinião, de forma precipitada, o Delegado Dr. Itagiba – Polícia Civil, declarou ser o garoto o assassino dos pais e tias e após suicidando-se... (precipitou-se em declarar isso, pois nem havia começado as investigações, deu uma notícia no calor do momento)

Fato 1 - Em uma investigação, o local do crime é e deve ser PRESERVADO, os peritos buscam as pegadas, impressões digitais, usam luminol para verificar resquícios de sangue nas vítimas, pólvora nas mãos de todos, o cenário do crime é minuciosamente vasculhado e enumerado, com imparcialidade e sobriedade, E NÃO FOI ISSO QUE VIMOS INCLUSIVE ATRAVÉS DAS IMAGENS QUE VIMOS AO VIVO NA TV, (o local parecia um hotel, muita gente entrando e saindo)

Fato 2 - no ato do incidente, momento em que o helicóptero da Rede Record (comandante Hamilton) chegou e de imediato ficaram na expectativa de ser um assalto, durante a reportagem Oficiais da PM ou da Rota enviaram mensagens ao Comentarista Percival de Sousa dizendo que haviam cartuchos deflagrados... (fato que não se ouve mais nem mencionar-se) Por quê?

Fato 3 - O Comandante do Batalhão de Andréia disse que a mesma estava envolvida em uma investigação interna (corregedoria) na condição de testemunha ou P2 “policia delatora ou disfarçada/infiltrada”, inclusive o comandante declarou isso tanto a Rede Record de TV quanto na Rede Bandeirantes de Rádio e TV... (porém agora ele negou que a policial estivesse envolvida na investigação) Por quê? 

Fato 4 - o Tio do garoto diz ter recebido uma 1ª ligação de alguém (mulher) ligando e perguntando se era da casa do Marcelinho porquê o garoto não tinha ido ao colégio, recebeu ainda uma 2ª ligação (mulher) perguntando se era a residência da Andréia e se o Marcelo estava bem pois ele não havia ido ao colégio... (das três, uma, ou ele realmente faltou ao colégio, daí a Polícia mentiu quanto a ele ter ido... ou ele foi e apenas ligaram devido terem visto a residência na Reportagem e quererem saber se o garoto e a família estava bem... ou as pessoas que ligaram eram integrantes de uma quadrilha ou mandantes do crime e apenas ligaram para saber se o serviço havia sido feito com sucesso)... Porquê ligaram ? quem ligou ? de qual número ligou ? e de onde ligou?

Fato 5 - as imagens das câmeras não são claras...

Fato 6 - uma vizinha disse que viu duas pessoas pulando o muro da residência entre 12h00 e 12h15min, e afirma ser um familiar policial e um amigo da família, entretanto, o B.O. (Boletim de Ocorrência) registra que tal familiar e amigo da família apenas comunica a Polícia entre 18h00 e 18h15min (horário que comunica ter chegado ao local do crime) Porquê ?

Fato 7 - segundo informações, o B.O. relata que o tiro no garoto foi no ouvido direito e estão declarando a imprensa que foi no ouvido esquerdo... Porquê?

Fato 8 - sabe-se que, um tiro, explicando grosseiramente, é igual um soco, ou seja, se você leva um soco na cabeça do lado esquerdo, o impacto é para direita, pois a pressão do projétil projeta o corpo ao lado oposto, pois bem, se a pessoa recebe um tiro frontal a tendência é ser projetado para trás, se recebe um tiro pelas costas, a tendência é cair para frente, primeiramente de joelhos e depois o corpo tende ou pra frete ou para um dos lados, e se levar um tiro do lado direito, certamente cairia para o lado esquerdo... sendo assim, é praticamente impossível levar um tiro no ouvido e cair para a frente... (algo está errado então) Você não acha? 

Fato 9 - quem é a pessoa que trouxe o garoto até a residência na volta do colégio?

Fato 10 - quem é a criança que disse o garoto (Marcelinho) tinha tendências psicopatas?

Fato 11 - e o cabelo na mão do garoto? (como se pode dirigir e continuar com cabelo na mão sem que o mesmo caia? Além do que, cabelo ou mesmo que seja um fio de cabelo na mão, isso incomoda, e ninguém consegue ficar tempo tão grande com fio de cabelo na mão... Alguém consegue?

Fato 12 - um garoto, sem treinamento militar, e com apenas uma das mãos não conseguiria usar uma pistola tão potente, pode sim usando as duas mãos, mas usando apenas uma das mãos deixaria hematomas, queimadura na mão, ou pulso aberto, ou deslocamento do ombro (principalmente por ele ter debilidade em sua saúde)... inclusive, esse tipo de calibre para nós adultos, só é possível a utilização usando as duas mãos, pois dá a precisão na mira, e equilíbrio no manuseio... Consegue compreender?

Fato 13 - e quanto ao som dos estampidos da arma ? (ninguém ouviu) muito estranho, um tanto quanto esquisito...

Fato 14 - palavra escrita no portão da casa, que a princípio seria a palavra: abuso 157 (significando Roubo...ou conhecimento de quem os faz) ou abuso 137 (significando Rixa - termo usado por quem se sente perseguido) jargão militar...

Fato 15 – Facilmente pode ter sido uma quadrilha de bandidos, haja vista que a SSP enviou um alerta Máximo a todos os policiais do estado de SP, ou até mesmo por quadrilha de Policiais, coisa que infelizmente também existe, o que podemos afirmar, é que mediante tantas contradições e evidências surgindo a todo o instante, pode sim ser uma execução inclusive com silenciador, pois esse artigo é facilmente encontrado até mesmo no Paraguai, e todos sabem disso, e engana-se que disser que não existe silenciador para Pistola .40, pois todos sabem que pode-se até mesmo contratar um bom armeiro para confeccionar tal assessório de armamento. Podia ser o garoto ? sim podia, mas eu particularmente não acredito. 
http://abordagempolicial.com/2009/11/especial-armas-de-fogo-silenciador/

Resumo: Podia facilmente alguém ter subjugado a família, matado todos e deixado a mãe por último, terem mandado a criança ir a escola e manda-lo ficar quieto quanto a morte do pai e avó e tia avó até retornar ao lar, ou simplesmente nem a mãe e nem o garoto terem percebido que que o pai e avó e tia avó estavam mortos, pois segundo a própria Polícia, nem dava pra perceber que eles haviam sido atingidos, além do que, segundo relatos divulgados, a Andréia foi morta 8h (oito horas) depois... Inclusive, a posição “de joelhos” é uma posição de subjugação e humilhação... 

Conclusão: 
Aconselho, como presidente do Conselho Federal de Segurança, Profissional Especializado em Segurança desde 1993, sendo o Conselho Federal de Segurança uma Autarquia Superior de Auto-regulamentação de esfera Federal e atuação em âmbito Internacional, orgão criado com Base na OIT, Constituição Federal, CLT e demais Leis complementares, pois o nosso objetivo é: Valorização e Defesa e das Forças Armadas, Polícias Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Ferroviária Federal, Polícia Penitenciária Federal, Polícia Penitenciária Estadual, Polícia Rodoviária Estadual, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Metropolitana Municipal (Guarda Civil Metropolitana), Polícia Patrimonial (Agentes de Segurança Civís) REGULAMENTAÇÃO DE PISOS SALARIAIS ÚNICOS EM TODAS AS UNIDADES DA FEDERAÇÃO DIVIDIDAS EM SUAS ÁREAS, ou seja, separadas por Categoria, estruturação de carreira, pagamento dos benefícios integrais, revitalização das instituições, aparelhagem, estruturação, e etc... aconselho que transfira as investigações para a Polícia Federal com o apoio das Forças Armadas, no caso o Exército, haja vista se tratar de Polícial Militar e Constitucionalmente ser subordinados as Forças Armadas “Exército” disciplinarmente falando, e dadas todas as inconsistências e contradições deste caso, com o objetivo de eximir-se de qualquer interferência caso haja envolvimento de Criminosos na Corporação, enfatizamos que a melhor escolha neste momento é transferir as investigações para a Polícia Federal sendo apoiada pelas Forças Armadas através do Exército...” (SIC) – autorização por meio digital via e-mail e facebook

Ainda, levando em consideração, base e informações a mim passadas, mantendo o anonimato da fonte, o ponto que mais causa estranheza e, portanto denuncia os reais motivos da secretaria de segurança, é o fato de terem antes de tudo, de qualquer laudo pericial, descartado a possibilidade de ação de criminosos! Por quê? Dizem que não há evidências... Mas isso não significa que não estiveram lá! A perícia nem foi concluída, e as provas colhidas e os exames pedidos por aquele delegado, foram direcionados. 

“O MOTIVO: Alguns meses atrás, nas madrugadas, houve uma onde de homicídios em São Paulo, e isso resultou na queda do Comandante Geral da PM e na troca do Secretário de Segurança Pública. É sabido no meio policial que esses crimes foram praticados por PMs, em resposta a homicídios de policiais militares a mando do PCC. Se a conclusão desse caso fosse à de que quem matou essa família foram marginais... imagine! O governo, instável, tem medo de uma nova onda de homicídios...” (SIC) – fonte em preservação pelo anonimato. 

Ainda de acordo com questionamentos a mim enviados, pessoas com teses e teorias contundentes e bem fundamentadas, ressaltam que: “acho que o menino não sabia que parte da família estava morta quando foi pra escola, outra coisa importante a ser levantada é porque alguém teria as printscreen da mudança de imagens (Assassin's Creed) feita no facebook, e como um menino que queria e admirava a profissão de policial resolveu virar um assassino de aluguel de uma hora para outra... A ação não foi feita apenas por um integrante, mais foi feita por um conjunto de integrantes, eu chutaria que foi um membro por cada membro da família morto e dois membros por causa do pai que tinha pericia e maior força bruta que os demais, o legal seria se você conseguisse levantar informações sobre os membros da corporação policial que trabalha com o pai do garoto. 

O principal questionamento das prints do facebook é porque alguém e quem printou as imagens da alteração de foto, e porque a pessoa teria interesse de registrar isso um mês antes ao assassinato no dia 5/7? Se ele sabia mesmo que sua família estava morta e foi pra escola, quais tipos de comportamento ele teria, ele apresentaria? Os telefones com certeza estavam grampeados, isso dá pra perceber pelo fato de que a pessoa ligou (em quanto seu tio estava na casa) e logo após uma mensagem estranha a ligação caiu, o fato se repetiu... 

O fato é quem está envolvido é policial... tem alta patente e uma comunicação e poder de influência em outros setores da policia muito alto, provavelmente esta pessoa no ultimo 1 ano apresentou uma variação em seu patrimônio (familiar) incompatível com o seu salário e as pessoas ligadas a ele mais próximas também (inclusive da policia e amigos), dificilmente alguém vai conseguir enquadra-lo, devido sua influencia corporativa, se tivessem imagens de câmeras de bares e padarias ao redor da casa do policial morto seria um fator fundamental pra encontrar os culpados. 

Os caras são burros se deixaram rastros de armação tão evidentes na cena do crime provável que ocorreu mais erros... só é saber procurar...” (SIC) Gilson Cesar da Costa – autorização via meio digital facebook. 
Contudo, as declarações do jornalista Agostinho Teixeira, da Rádio bandeirantes, desmentiu, no Brasil Urgente com Luís Datena, a versão do Coronel Wagner Dimas repassada a Corregedoria de Polícia. Segundo ele, a identificação, do jornalista e da emissora, foi informada antes da entrevista ser iniciada. De forma clara e transparente, foi comunicado ao coronel que se tratava de uma reportagem da rádio bandeirantes e que ele estava conversando com um jornalista. 

O coronel estava consciente e sereno. Agostinho chegou ao coronel, após receber ligações de policiais lotados no 18º Batalhão e que acreditam que a policial foi exterminada, com toda a sua família, por ter denunciado colegas da corporação envolvidos em assaltos a caixas eletrônicos. Ao comandante, antes de solicitar a entrevista, fora perguntado se ele confirmava essas informações dos policiais e, depois de confirmado, se ele aceitaria conversar no programa sobre o caso e sobre esta nova linha de investigação. 

O jornalista se coloca a disposição para conversar com o Coronel Dimas e lhe perguntar, diante da versão apresentada à corregedoria, com quem, então, ele achava que estava falando para ter relatado o possível motivo deste crime bárbaro.

Ainda sim, ontem, no Cidade Alerta, com o jornalista Marcelo Rezende, após uma simulação da reconstituição do crime feito pelo supra citado, mostrando a impossibilidade do Marcelinho ter executado o crime, o mesmo coloca que, a numeração “riscada” no portão, não é 157 e sim 137 onde o significado é, no jargão policial rixa com abuso de autoridade.

Lembrando que, a única que foi subjugada foi Andrea, que era considerada uma “policial linha dura” onde, a subjugação implica em humilhação o que nos da a entender que a intenção era que a mesma suplicasse por sua vida e morresse sabendo quem foi seu algoz. 
Ainda sim, coloco todos os questionamentos não respondidos pela perícia e, claramente ignorados pelos condutores e responsáveis do caso:

- Uma vizinha deixa claro que viu um policial pulando o muro 6 horas antes da notificação oficial da PM. Deixa-se claro também que tinha um Palio preto rondando o local. Durante meses havia pessoas na frente da casa dos Pesseghini passando informações sobre a cor do portão e horários. A própria câmera do Hamilton (jornal Cidade Alerta) foca um Palio Preto no local do crime. Há meses o casal estava sendo monitorado. 

- Falou-se que a vizinha ouviu dois disparos e o barulho do carro saindo. Porém, dois disparos não matam quatro pessoas. O pai, o sargento Pesseghini, morreu 8 horas antes da mãe. A mãe estava em posição subjugada. Uma posição conhecida pelo caráter de execução. 

- As roupas divergem das câmeras e do momento em que ele é encontrado morto. Se o menino tinha a intenção do suicídio porque trocar de roupa? 

- Levando em consideração que o menino tenha realmente ido á escola, tenho para mim que ele não gritou ou comunicou o fato por uma questão de sobrevivência e proteção aos familiares, afinal, o pai foi morto horas antes dos outros familiares. “Conte para alguém e eu mato o resto da sua família”. 

- CADÊ OS RESQUÍCIOS DE MASSA ENCEFÁLICA E SANGUE NAS MÃOS E NO GAROTO?

- Se ele estava de luvas como tinha cabelo da mãe nas mãos do menino? Será que, na hora em que ele chegou a casa, ele viu a mãe naquela situação e passou a mão na cabeça da mãe em sinal de tristeza e despedida?

- NÃO HAVIA SANGUE NAS PAREDES E NEM NO CHÃO. 

- Porque ainda não se fez a perícia do trajeto da bala?

- A cena foi contaminada, mexida e claramente manipulada. 

- O recuo de uma ponto 40 e tiros precisos... Isso não é possível. Um garoto dá tiros precisos numa arma pesada com um recuo forte, em seus familiares sem mostrar hesitação. Isso é, no mínimo, difícil. 

- A DOENÇA PULMONAR DO GAROTO NÃO INFLUÊNCIA EM NADA NO EQUILIBRIO EMOCIONAL E PSÍQUICO DO GAROTO. 

- Há a certeza da morte nesta doença? Sim, há. Porém toda e qualquer pessoa que possuí uma doença degenerativa crê em cura. A ciência descobre curas o tempo todo. Porque não poderá descobrir, talvez, no ano que vem a cura da doença dele? 

- Porque usar luvas (estas encontradas no dia seguinte do crime) se, você esta disposto a matar e fugir ou matar e se suicidar? 

- O depoimento do melhor amigo foi claramente instruído. Quer dizer que, um garoto fala pro outro, diversas vezes a intenção de matar os pais no meio da noite, fugir, morar numa casa abandonada e ser matador de aluguel e, o mesmo não comunica absolutamente nada para os pais? Não mostra seu medo? Não conversa sobre isso com ninguém? Não fala nada que possa alertar as possíveis vítimas? 

Um depoimento um tanto cabível a situação não acham?

- O garoto ficou 5 horas dentro do carro? Não fez nenhuma necessidade fisiologica? 

- Onde o carro esta estacionado não garante que não tinha outra pessoa dentro do carro. Se a pessoa estudou o bairro antes de cometer o crime e montar a cena (sim, a cena, os corpos e o carro estão estranhamente montados) ela viu as posições das cameras e, onde o carro estava estacionado não mostra se alguém deixou o garoto dentro do carro e saiu, abaixado, sem ser filmado.

- O garoto estudava naquela escola há anos. Como ele não saberia que lá havia uma câmera, que filma tudo? 

- Porque a escola não cede às filmagens internas para comprovar que o garoto realmente frequentou as aulas na segunda feira? Que escola particular hoje em dia não tem câmeras? 

- Porque não foram recolhidas as impressões digitais do carro? Pela lógica so poderá ter três impressões digitais: da mãe, do filho e do pai.

- Cinco pessoas foram mortas. Isso é um garoto sozinho, subjugou quatro pessoas. Enquanto ele atirou em um, os outros ficaram esperando. 

- Ele atirou no pai (que foi o primeiro a morrer) e, 8 horas depois matou o resto da família. Que sonífero é esse que age por 8 horas? Isso não é um sonífero, é uma anestesia geral. E ainda sim, não age por 8 horas. 

- Lembrando que, quando uma pessoa da um tiro na própria cabeça ou no próprio ouvido, a tendência clara é o corpo cair para o lado oposto, em torno de 35 cm a 50 cm da arma. Afinal o impulso do impacto do tiro faz a pessoa ir para o lado oposto do tiro. E não em cima da arma. E o corpo, em caso de suicidio, não estaria na posição em que foi encontrado. 

- Porque o tio da informações de caráter urgente depois de dias e, desmente a própria vizinha que diz que houve invasão? Qual a intenção dele de colocar tudo e todos como mentirosos e sempre colocar informações que deviam ter sido comunicadas no dia em questão depois? Todo dia ele tem uma nova informação para contar.

- Porque toda hora aparecem informações bombasticas de possiveis testemunhas para corroboar a versão da investigação de acordo com os questionamentos que vão surgindo? Há um questionamento, no dia seguinte surgi uma testemunha, que não quer mostrar o rosto, comprovando a investigação da perícia e da policia. 

- Porque não houve a perícia psicológica do Marcelinho?
- Porque há tanta incoerência de informação?
- Porque a cena do crime esta manipulada?
- Porque não houve a preservação correta da cena? 
- Porque não houve o recolhimento das digitais no carro e nas armas? 

- Cadê os projéteis primeiramente encontrados? 
- Porque as luvas já que a intenção era ou fugir ou se matar?
- Porque trocar de roupas? 
- Porque não colher resquícios de pólvora do volante do carro?
- CADÊ O CELULAR DO MARCELINHO? 
Agora a versão do PORQUE PODE TER SIDO MARCELINHO:
Após conversar com psicologos forenses e psicologos juridicos, trago analises do por que pode ter sido Marcelinho:

De acordo com a perita assistente tecnica e coordenadora responsável pela psijust (www.psijust.com.br), esta diz:
“CRIME DE SÃO PAULO: Todos estão me perguntando o que eu acho do Crime em São Paulo. Já fiz algumas considerações anteriormente e estava esperando as investigações. Será possível um menino de 13 anos matar toda a família e baseado nessa possibilidade fechei a minha linha de raciocínio A criança nasce com um problema de saúde, cujo medico diz que o tempo de vida é de 4 anos. Instala-se na família um medo que o menino morra, a partir dai, tudo é proibido, o menino não pode fazer nada por isso. 

Nada lhe era permitido. O menino para suportar isso começa a ter alteração de pensamento em que ele era um “Matador de Aluguel”, esses pensamentos começam a tornar-se persistentes, e ele começa a confundir realidade com fantasia. Somente o computador lhe era permitido. Esses pensamentos tornam-se persistentes. Em contra partida ele começa a ter contato com jogos eletrônicos em que começa a treinar pontaria. O pai ensina lhe a lidar com armas. Ele então começa a pensar como executar esses pensamentos, cria um plano. No sábado, quer ir a uma festa em que novamente lhe é negado. 

No domingo, um churrasco em família, o pai bebe um pouco e isso vem a colaborar para potencializar nele o efeito do novo plano, pesquisado por ele na internet, em dopar a família antes de assassiná-los. O menino então , em surto,torna-se de fato o tão sonhado....“MATADOR DE ALUGUEL”. O menino precisa ver-se livre de todos que o oprimiam, e então fantasia e realidade se misturam. Mata a todos. Sai da casa, foge da realidade, continua em surto e é matador de aluguel. No vídeo em que ele aparece indo para a escoa ele está com passadas largas, vestido do personagem. 

Para mim possivelmente ele iria matar alguém na escola, entretanto esse plano falhou. Ainda em Surto, na Psicose volta para casa, se depara com cena, sai da psicose e entra na neurose, volta a realidade, ver a destruição que ele fez. Então comete o suicídio. Esse menino precisa-se livrar-se dessa situação de opressão. 

• Esse raciocínio é apenas baseado em analises de comportamentos, explicando a possibilidade do menino ser de fato quem cometeu o ato. Entretanto tudo pode mudar com a entrada de fatos novos. 

Texto de Camila Abdo e republicação de
VERA LUCIA LOURENÇO JACOMETI CRP 05/25939”
(SIC) autorização eletrônica via e-mail
Contato do presidente do conselho federal de segurança: Luis Carlos Giganttye de Sousa e Silva (Em processo de alteração cível) 
Contatos:11-964-386-917 (TIM)
E-mail: gestorsenior@hotmail.com