Jnet News o Blog da verdade.

sábado, 25 de maio de 2013

SEGUNDA NOTA DE FALECIMENTO

SUSPEITA DE ENVENENAMENTO, O EXAME DE SANGUE IRÁ REVELAR.

OS LÁBIOS ROXOS INDICAM ENVENENAMENTO POR CHUMBINHO OU 1080, TODOS DOIS DE USO PROIBIDO.

PESSOAS MORREM ENVENENADAS E PESSOAS QUE ENVENENAM MORREM POR OUTRAS CAUSAS. CUIDADO!


Envenenar animais é um crime previsto na Lei de Crimes Ambientais.
Nesta Lei consta que, quem praticar ato de abuso, maus tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos, nativos ou exóticos é penalizado com detenção de 3 meses a um ano e multa. Mas se o acusado praticou um crime de menor gravidade (como é considerado o envenenamento de animais) e não cometeu delito nos últimos 5 anos, a Lei permite ao Juíz substituir a pena de detenção por multa revertida em bens como cestas básicas e cobertores ou prestação de serviços à comunidade.








1080


O monofluoracetato de sódio (composto 1080) é conhecido internacionalmente como uma das mais tóxicas substâncias produzidas no mundo para eliminar roedores. Ele tem essa sigla por ser o composto 1080º de uma série de mais de 1000 compostos pesquisados para a atividade raticida.

Características :

-O 1080 não tem cheiro.
-O 1080 não tem sabor.
-Não há nenhum antídoto conhecido.
-Uma colher de chá da substância pode matar até 100 pessoas adultas.
-A morte provocada pelo 1080 é difícil de determinar já que os sintomas se parecem com aqueles de um ataque cardíaco.
-Os sintomas aparecem cerca de 30 minutos após a exposição ao produto e a morte pode acontecer entre duas e sete horas.
-O 1080 é altamente solúvel em água.
-O 1080 pode ser rapidamente absorvido pela pele.
-O produto mata não somente o animal envenenado mas também os outros que estiverem dentro da cadeia alimentar.

* Em 1972 o então presidente Nixon proíbe o uso do composto 1080 nos E.U.A
* Em 1982 ocorre a proibição do uso em todo o território brasileiro
.



CHUMBINHO

Chumbinho (no BR) é um produto clandestino, irregularmente utilizado como raticida, tem este nome porque o produto não diluído tem a aparência de pequenas esferas de chumbo. Não possui registro na Anvisa, nem em nenhum outro órgão de governo. O agrotóxico aldicarbe (carbamato Aldicarb) figura como o preferido pelos contraventores, encontrado em cerca de 50 % dos ‘chumbinhos’ analisados, a outra metade são organofosforados diversos. Dois comprimidos do veneno “chumbinho” são suficientes para matar, em questão de minutos, tanto um rato quanto um cachorro, por maior que seja. Independentemente dos motivos, o comprador deste produto clandestino, irregularmente utilizado como raticida, precisa saber que, além de correr o risco de ser preso, pode ter contribuído para a contaminação do solo e até do lençol freático.

Muito procurado por assaltantes e por vizinhos incomodados com latidos de cachorros de vizinhos, o chumbinho vem ganhando grande e preocupante divulgação nas redes sociais. Em Manaus, ele pode ser adquirido no comércio informal, no Centro.

Em outubro do ano passado, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) baniu do mercado o aldicarbe, principal agrotóxico utilizado de forma irregular como raticida doméstico. Segundo o órgão, o produto é responsável por quase 60% dos 8 mil casos de intoxicação humana relacionados a chumbinho, no Brasil, todos os anos.

Por ser um produto clandestino (sem registro), não possui rótulo com orientações quanto ao manuseio e segurança, informações médicas, telefones de emergência e, o que é ainda mais grave, a descrição do agente ativo.

O envenenamento de cães por ladrões ou vizinhos incomodados com latidos é comum

De acordo com o presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV), Paulo Alex, quem adquire o veneno precisa saber que o chumbinho oferece muito mais perigo que solução. “Primeiro, não existe antídoto que elimine o efeito desse veneno. Se ingerir uma dose letal, o animal pode estar entubado dentro de uma clínica que não tem jeito, morre mesmo. O efeito é no aparelho respiratório, seguido de parada cardíaca”, explicou Alex.

Mas o veterinário chamou a atenção para um risco do qual poucos têm conhecimento. “O perigo é que o veneno não se degrada, isto é, do corpo do animal ele passa para o solo e pode até contaminar o lençol freático”, alertou o veterinário.

As perigosas bolinhas cor de chumbo podem ser encontradas em lojas de estivas e até em casas agropecuárias, mas, por ser um produto de venda proibida, ao chegar ao balcão é preciso muito mais que um simples pedido de compra.

“Chumbinho só no Centro, por aqui acredito que você não vai achar. Já vi sendo vendido naqueles carrinhos perto do Mercadão, em loja é mais difícil, por ser proibido”, informou a funcionária de uma loja de produtos para animais, no Parque 10, Zona Centro-Sul.

“Se um veterinário for conivente ou trabalhar em local que comercialize esses venenos é passivo até de processo”, avisou o presidente do CRMV.