Jnet News o Blog da verdade.

domingo, 30 de junho de 2013

O HOMEM TEM A CAPACIDADE DE FAZER O BEM E O MAL, BASTA ESCOLHER

"A primeira coisa que um ser humano deveria aprender é a diferença entre o bem e o mal, e jamais confundir o primeiro com a inércia e passividade. " 
( Maria Montessori

ABRIGO CONSEGUE SALVAR DEZENAS DE CÃES QUE MORRIAM DE FOME NA ILHA DE MARAJÓ, O PREFEITO QUE PAGOU R$ 10,00 PRA QUEM TIRA-SE A VIDA DE UM ANIMAL INDEFESO ENCONTRA-SE IMPEDIDO DE ATUAR NO CARGO ATÉ JULGAMENTO.

Cães resgatados da ilha de Marajó recebem alimentação e cuidado adequado em abrigo de ONG em Belém (PA)

VEJA MATÉRIA COMPLETA ABAIXO.



Depois de serem caçados, abandonados e enfrentarem quase duas semanas de fome no  rquipélago do Marajó, no Pará, um grupo de 104 cães foi resgatado há cerca de 15 dias e levado às pressas a um abrigo de animais em Belém.

Os cães sobreviveram a uma caçada patrocinada pela Prefeitura de Santa Cruz do Arari, segundo investigação do Ministério Público. O objetivo da medida seria contribuir com a limpeza da cidade.
A prefeitura daria uma recompensa de R$ 5 a cada cachorro que "sumisse". O prêmio por cadelas era R$ 10.

Imagens de dezenas de animais capturados, amarrados e levados à zona rural da cidade ganharam destaque na imprensa local e nacional. O prefeito foi afastado do cargo, a pedido dos promotores.
Dezenas de cães, segundo os moradores, morreram afogados ou de fome. Os 104 sobreviventes, porém, conseguiram refúgio numa área de população ribeirinha e mata cerrada, a 6 km da área urbana.

O resgate chegou duas semanas depois. Com a ajuda de um barco alugado, integrantes de uma ONG encontraram um cenário desolador de cães magricelos e com sinais de maus-tratos.

Na ilha, os animais ganharam um punhado emergencial de ração antes da viagem de 15 horas até a capital, onde foram vacinados, examinados e medicados.

"Os ribeirinhos são pobres e não tinham como alimentá-los. Eles iam todos morrer de fome", diz Raquel Viana, dona do abrigo em Belém.

Dos cães resgatados, um morreu e outros quatro seguem internados em clínicas veterinárias.

Entre os acolhidos, "Vovô" é quem mais precisa de cuidados. Quase cego e sem os dentes, precisa ser alimentado com líquidos diretamente na boca.

"Ele é um vovô, mas, quando pego ele pra dar comida, é o meu bebê", diz a engenheira civil Marilete Sampaio, que há seis anos largou a profissão para dedicar-se ao trabalho com animais.

Antes mantido exclusivamente com recursos próprios, o abrigo tem recebido doações após a repercussão do caso. Uma fabricante doou duas toneladas de ração.

O abrigo também recebeu medicamentos, produtos de limpeza e até jornais velhos, para forrar o local em que os animais estão abrigados.

PORQUINHO
Além dos cães a ONG também resgatou um porco, apelidado de "Ozzy" --referência ao roqueiro Ozzy Osbourne. O suíno também trazia ferimentos nas patas.

"Eu nunca imaginei como seria criar um porquinho, mas ele é tão fofo. É carinhoso, gosta de carinho na barriga. Não tem como não se apaixonar por ele", afirma Raquel, a dona do abrigo.

Ela ainda não sabe se "Ozzy" é macho ou fêmea nem como ele se juntou aos cães resgatados e embarcou.

A Prefeitura de Santa Cruz do Arari confirmou ter estimulado a população a levar os cachorros da zona urbana para a zona rural, mas informou que não pediu para que os animais fossem agredidos ou exterminados.